Beldades dos anos 1920 inspiram inverno 2013 da Emporio Armani

Cores, muitas cores, encheram a passarela de inverno 2013 da Emporio Armani — a linha mais comercial do estilista italiano Giorgio Armani.

Por onde quer que se vá em Milão, o estilista é reverenciado como rei da moda, il Signore Armani.

Simpático, Armani faz dois desfiles seguidos para atender ao número de convidados. Hospedados em seu Armani Teatro, as apresentações acontecem de forma extremamente organizada com recepcionistas educados e até serviço de chapelaria.

/Na Passarela

O próximo inverno da marca tem uma mulher romântica e ativa, que encontra sua origem nas independentes e irreverentes beldades dos anos 20. Das motoristas de então, herda-se o chapéu cloche e da organicidade remanescente do movimento anterior, as terminações em curvas que lembram pétalas.

Tudo aqui é estudado de forma acadêmica e confeccionado seguindo o rigor técnico da grife que é capaz de reestruturar o corpo, refazendo suas curvas e deixando em evidência apenas a já existente cintura.

Identificar-se com o oriente já é tradição na casa Armani, que encontra nas estampas com flores em duas cores contrastantes, sua expressão maior dentro dessa coleção.

Rosa, lilás, roxo, vermelho cereja, oliva claro, pistache, oliva, marrom, turquesa, cinza claro e cinza escuro são as cores principais desta grande cartela de cores que deixou de lado o império do preto.

Os tecidos recebem um brilho extra auferido pela tecnologia moderna de habilitação e vem em texturas sedosas como o chiffon, a organza e o veludo alemão.

Os passos são rápidos, entra-se na passarela e se sai no final perto dos fotógrafos. Não existe aquela passadinha e quebrada de quadril por aqui. Em seguida, o retorno. Em meio a aplausos, o designer Giorgio Armani — vestido em seu clássico visual azul marinho — agradece a todos.

desfile-emporio-armani-inv2014-75

Estilista Giorgio Armani ao final da apresentação de inverno 2013

Anúncios